Informativo Santo Antônio

Cantinho de Maria

(Clique na imagem para aumentar)

 

 

EU AMO AMAR MARIA
Pedindo para escolher um tema, para dar uma mensagem um dia, a minha resposta foi na hora, o tema que eu quero: é MARIA. Falar da sua coragem, e também do seu amor, daquele, Bendito SIM, para o anjo do Senhor.
Falar Daquela Menina, falar da Mãe de Jesus,
falar do seu sofrimento, de ver seu Filho na cruz.
Falar de seu companheiro, seu Castíssimo Esposo José,
um humilde carpinteiro, lá das bandas de Nazaré.
Maria menina mulher, Maria menina criança,
Maria do mais puro amor, Maria da nossa esperança.
Como a Senhora agradeço! Como eu amo a Senhora !
Pois nos sustos que a vida nos dá, o seu nome eu sempre imploro. Nossa Senhora Aparecida ! Nossa Senhora D'Ajuda ! Nossa senhora de Fátima ! Nossa Senhora me acuda . Obrigada Santa Ana, obrigado São Joaquim,
por colocarem no mundo, uma filha tão formosa assim.
Tudo isso me envaidece, e só me enche de alegria,
pois tudo que tenho na vida, eu agradeço a Maria.
(Ademir O. Maciel)

 

FIQUE SABENDO!

  COMO SURGIU A SALVE RAINHA

É o dia 15 de novembro de 1049. Densas brumas pesam sobre o lago de Constança, na Suíça. O sol parece haver perdido a força. Gotas de neblina caem por terra, como se o céu estivesse chorando. A curta distância, consegue-se vislumbrar o contorno do imponente mosteiro, a "Augia Dives". Dentro do mesmo, em estreita cela, encontra-se o monge Germano, sentado em uma velha cadeira de braços. Tem o corpo paralítico, a cabeça curvada sobre o peito. A custo sustenta com as mãos deformadas o livro que está lendo. Durante horas permanece na mesma posição; sem auxílio alheio não pode se mover. Sobre a mesa encontram-se numerosos pergaminhos, quase todos escritos por ele Germano. Conhecido pelo nome de "Germanus Contractus", ele é um dos maiores sábios de seu tempo. Tem fama no terreno da astronomia, da física, matemática, teologia, poesia e música. De vez em quando o monge procura ergue-se um pouco, mas logo recai, com leve gemido. A palidez de seu rosto é indício de dores indizíveis. Hoje, o "mais piedoso entre os monges" tem que passar uma hora difícil, hora de Getsêmani. O seu olhar procura o quadro de Nossa Senhora pendurado na parede da cela. Sempre professou uma terna devoção a Maria Santíssima. Agora, de seu coração torturado, se eleva a ardente prece: "Salve, Rainha de misericórdia, vida, doçura e esperança nossa, salve! A vós bradamos, os degredados filhos de Eva. A vós suspiramos, gemendo e chorando, neste vale lágrimas. Germano perde-se em reminiscências. Contempla-se, pequenino, ainda no castelo materno, nos braços de sua governanta: é paralítico. O dia 18 de julho de 1013, data de seu nascimento, marcou o início de suas dores. Recorda-se de sua despedida do castelo: tinha sete anos quando o pai, o conde Wolverade, e sua mãe Hiltrudes o confiaram aos monges do mosteiro de São Galo para que o instruíssem nas ciências e nas artes. Mais tarde obteve a admissão na "Augia Dives" e ali emitiu, sentado em uma cadeira de braços, a profissão religiosa. Desde então vive preso à cela, solitária, torturado e martirizado por seu mal, enterrado vivo. Somente a pujança de seu espírito e o amor à Maria Santíssima fizeram-no triunfar, até o presente, de todos as dificuldades. Hoje, porém, parece que o inferno todo se desencadeou sobre ele. Em sua alma é noite fechada. Quase que desfalece. Com a mão trêmula escreve num pergaminho o que acaba de meditar: "De três modos pode-se sofrer: estando-se inocente, como Nosso Senhor na cruz: estando-se culpado, com o bom ladrão; e para fazer penitência. Eu quero carregar minha cruz para satisfazer por meus pecados e pelos pecados dos outros. É este o meio mais seguro para se chegar à glória no céu. Mas, sinto-me vacilar. Mãe do céu, ajudai-me para que, como vós, eu não murmure e não me queixe, mas reconheça no sofrimento uma prova do amor de Deus". Entra na pobre cela o irmão enfermeiro. Germano pede-lhe que o leve à capela de Nossa Senhora. O recinto sagrado acha-se envolvido em semi-escuridão. A lâmpada do Santíssimo, iluminado frouxamente o sacrário, projeta também um raio de luz e envolve a imagem de Nossa Senhora. O monge paralítico estende penosamente os braços. Seus olhos mergulham no olhar da Mãe de Deus e nele descansa. Germano cuida sentir a presença de Maria: parece-lhe que sua mão maternal pousa-lhe suavemente sobre a cabeça e derrama doce bálsamo nas chagas de sua alma. De seus lábios contorcidos pela dor brota espontaneamente: "Eia pois, advogada nossa, esse vossos olhos misericordiosos a nós volvei; e, depois deste desterro, mostrai Jesus, bendito fruto de vosso ventre; ó clemente, ó piedosa, ó doce Maria!"
( a palavra "Virgem" foi acrescentada mais tarde). Como ao pôr do sol, suave calma baixa à terra, assim a paz indizível, partindo da imagem de Maria Santíssima, inunda o coração de Germano. Parece-lhe estar longe da terra, crê-se perto do céu sente novo ânimo e redobrada coragem para carregar sua cruz não só com paciência, senão com alegria, até que Deus mesmo lha queira tirar. Germanus Contractus, nesta hora de sofrimento e de graças, presenteou a humanidade com uma prece que, desde então, tem sido enviada ao trono da Santíssima Virgem por milhões e milhões de devotos: a "Salve Rainha".

NOSSA SENHORA DA ROSA MÍSTICA

AS ROSAS DA VIRGEM MARIA
Significado Místico
Quando a Santíssima Virgem apareceu a 7 de dezembro de 1.947, na Igreja de Montichiari, trazia um manto branco.
No dia 8 de dezembro de 1.947, Maria Santíssima apareceu novamente na mesma igreja apinha de gente, descendo por uma escadaria enfeitada com rosas brancas, vermelhas e amarelas. Durante essa aparição a Senhora mostrou o seu Coração luminoso, ornado com as rosas, branca, vermelha e amarela. A rosa branca, indica-nos que Maria é a filha puríssima de DEUS PAI, é imaculada e sede de sabedoria.
A rosa vermelha é o símbolo da Mãe do Filho de DEUS, Mãe das Dores e da Misericórdia. A rosa amarela, por sua vez, é o símbolo da Esposa do ESPÍRITO SANTO, Rainha do Céu e da Terra e Mãe da Igreja, que acolhe no seu Coração Imaculado, como em precioso vaso de cristal, torrentes de luz, de graça e de amor.
As rosas simbolizam três grandes obras da onipotência divina. Maria, sendo filha predileta de DEUS PAI, a criatura mais perfeita depois do próprio DEUS, atrai a si mesma, torrentes constantes de graças e transmite-as depois aos Seus filhos como Imaculada, Virgem poderosa, Sede de sabedoria, etc... É preciso abrir os corações a este manancial de graças, amando intensamente Nossa Senhora. A Virgem Maria derrama as suas graças de modo particular, nos sacerdotes que o Senhor, entre milhares de homens, escolhe para o seu serviço.

AS ESPADAS NO CORAÇÃO DA VIRGEM MARIA
A 1º significava as almas que atraiçoam a sua vocação; a 2º, as almas consagradas que vivem em pecado mortal; a 3º, as traições dos sacerdotes parecidas com Judas. Sabemos, portanto, que a Senhora apareceu em Montichiari sobretudo para admoestar os padres, as comunidades religiosas e todas as almas consagradas, que, de forma especial, estão mais chegadas ao Coração do Senhor e da Mãe Celeste. Muitos desses jovens não possuem qualquer temor e, diariamente, ferem com a espada simbólica o Coração Imaculado de Maria, apunhalando-o cruelmente.
A dor causada pela 1º espada vem resumida nos seguintes dados: De há dez anos para cá mais de 30.000 sacerdotes católicos abandonaram a vocação. Destes, cerca de 50 por cento pediram à Santa Sé a devida laicização, enquanto a outra metade se não preocupou com isso. Da boca de um jovem sacerdote saiu até a seguinte frase: "A laicização é para o Papa, que a nós isso não faz falta". Que isto dizer que milhares de sacerdotes e religiosos perderam não só a vocação, mas também a fé, casaram apenas civilmente e, em parte, divorciaram-se já várias vezes. A esses trinta mil há que juntar milhares e milhares de religiosos e religiosas que, às ocultas, deixaram a vocação. Serão bem mais de cem mil. Não se pode ocultar esta realidade. É um número espantoso, um gládio horrível que enterra a sua lâmina ensangüentada no Coração de Maria. Eis agora o sofrimento da 2º espada, ocasionada pelos sacerdotes e religiosos que vivem em pecado mortal. Estes, embora se mantenham ao serviço sacerdotal ou nas comunidades religiosas, ofendem com a sua tibieza e indiferença crônicas o Coração da Mãe Celeste, denegrindo o Santo Padre com injustas críticas à Igreja, com a mania de seculares divertimentos, celebrações e comunhões sacrílegas. Só Deus sabe quantos sacrilégios há e se cometem hoje na Igreja. Esta segunda espada é muito mais dolorosa que a 1º; mas a terceira excede as outras duas. Trata-se, de fato, dos sacerdotes e almas consagradas, que não só perdem a vocação, mas também a fé e se transformam até nos mais encarniçados inimigos da Igreja, causando, por essa forma, um dano gravíssimo a todas as almas, ao Rebanho de Cristo. A Igreja revive hoje a 3º tentação de Cristo, quando Satanás o levou a um monte e lhe disse: "Tudo isto eu te darei, se te prostrares a meus pés e me adorares". Quantos padres, religiosos e leigos, caíram como vítimas inglórias dessa tentação, limitando-se a uma resistência passiva, convencidos de que podiam continuar a viver servindo a dois senhores. Hoje, mais que nunca, está em curso a divisão dos espíritos e, em conseqüência, a crivagem das almas: dum lado, o vazio e a fuga da cruz; do outro - graças a Deus - uma renovada e consciente decisão de seguir essa cruz. Não é fantasia dizer que hoje se vive no meio de Sodoma e Gomorra. Mas, para lá dessa torrente de iniqüidades, há o bem realizado pelos justos, que são numerosos, para os quais se volta, a chorar, a Mãe Dolorosa transverberada pelos três gládios acima descritos, com o chamamento à oração, penitência e sacrifício.
 

"O SANTO ROSÁRIO"  No mundo em que vivemos, tão cheio de confusão e de intranqüilidade na ordem material, moral e religiosa, nada melhor do que recorrermos à maternal proteção da Santíssima Virgem e ao asilo seguro do Sagrado Coração de Jesus; à intercessão poderosa de São José e ao excelso príncipe da milícia celeste São Miguel Arcanjo.
Nossa Senhora, através de suas mensagens de Lourdes e de Fátima, nos pede insistentemente a reza diária do Santo Rosário; a assistência à Santa Missa todos os dias e principalmente aos domingos e dias santificados, a freqüência aos sacramentos da confissão (semanalmente) e da comunhão, visando não ofender mais a Nosso Senhor, pois Ele já está muito ofendido e nos disse, que vão muitas almas para o inferno por não terem quem reze e se sacrifique por elas. Portanto, coloquemos em prática os apelos de nossa Mãe Celeste, que tanto nos ama e, não quer deixar perder nenhum de seus filhos.

Virtudes, benefícios e méritos do Santo Rosário

1°) [O Rosário] eleva-nos insensivelmente ao conhecimento perfeito de Jesus Cristo;
2°) Purifica nossas almas do pecado;
3°) Torna-nos vitoriosos sobre todos os nossos inimigos;
4°) Torna-nos fácil a prática das virtudes;
5°) Abrasa-nos do amor de Jesus Cristo;
6°) Enriquece-nos de graças e de méritos;
7°) Fornece-nos com que pagar nossas dívidas para com Deus e para com os homens;
8°) Enfim, faz-nos obter de Deus toda espécie de graças.
São Luís Maria Grignion de Montfort,
O segredo admirável do Santo Rosário, n° 81.
Portanto, meu(minha) irmão(ã) vamos rezar o Santo Terço!

1º passo
Oferecimento do Terço
Divino Jesus, nós vos oferecemos este terço que vamos rezar, meditando nos mistérios da vossa redenção. Concedei-nos, por intercessão da Virgem Maria, Mãe de Deus e nossa Mãe, as virtudes que nos são necessárias para bem rezá-lo e a graça de ganharmos as indulgências desta santa devoção.
Oferecemos, particularmente, em desagravo dos pecados cometidos contra o Santíssimo Coração de Jesus e Imaculado Coração de Maria, pela paz no mundo, pela conversão dos pecadores, pelas almas do Purgatório, pelas intenções do Santo Padre o Papa, pelo aumento e santificação do Clero, pelo nosso vigário, pela santificação das famílias, pelas missões, pelos doentes, pelos agonizantes, por aqueles que pediram nossas orações, por todas as nossas intenções particulares e pelo Brasil.
Ou com suas palavras (pois Jesus quer ouvir suas orações, aquela que vem do coração) peça em intenção à Igreja, ao Santo Papa, as almas do purgatório, pela conversão dos pecadores, pela santificação do clero, em oferecimento dos pecados cometidos contra o Imaculado Coração de Maria e Sagrado Coração de Jesus, pela sua cidade, pelos nossos governantes, pelo nosso País, por sua família e suas intenções particulares.

2º passo
Em seguida, segurando a cruz do rosário ou terço, para atestar nossa fé em todas as verdades ensinadas por Cristo, reza-se o Creio em Deus Pai:
Creio em Deus Pai Todo-Poderoso, criador do Céu e da Terra, e em Jesus Cristo, Seu único Filho, Nosso Senhor; que foi concebido pelo poder do Espírito Santo; nasceu da Virgem Maria, padeceu sob Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado; desceu à mansão dos mortos; ressuscitou ao terceiro dia; subiu aos céus, está sentado à direita de Deus Pai Todo-Poderoso donde há de vir julgar os vivos e os mortos. Creio no Espírito Santo, na Santa Igreja Católica, na comunhão dos Santos, na remissão dos pecados, na ressurreição da carne, na vida eterna. Amém.

3º passo
Terminado o Credo, presta-se a homenagem a Santíssima Trindade.
Reza-se um Pai-Nosso, três Ave-Maria e um Glória-ao-Pai; sendo que a 1ª Ave-Maria é oferecida em Honra a Deus Pai que nos Criou. A 2ª Ave-Maria é oferecida a Deus Filho que nos remiu e a 3ª Ave-Maria é oferecida ao Espírito Santo que nos santifica.
Pode-se fazê-la da seguinte forma:
- Louvemos a Maria, Filha bem-amada do Pai Eterno: Ave-Maria...
- Louvemos a Maria, Mãe admirável de Deus Filho: Ave-Maria...
- Louvemos a Maria, Esposa fidelíssima do Espírito Santo: Ave-Maria...

Em cada Mistério se reza um Pai-Nosso, dez Ave-Marias, um Glória-ao-Pai e as Jaculatórias:

- Ó meu Jesus, perdoai-nos, livrai-nos do fogo do inferno, levai as almas todas para o Céu e socorrei principalmente as que mais precisarem da Vossa Misericórdia.
- Mãe de Deus, derramai sobre a humanidade inteira as graças eficazes da Vossa Chama de Amor, agora e na hora de nossa morte. Amém!

4º passo
Os mistérios do Santo Terço, a cada dia é contemplado um dos três mistérios.

Mistérios Gozosos (Nas Segundas e Quintas-Feiras e no tempo de Advento e Natal)
1° Mistério: A ENCARNAÇÃO.
Nós vos oferecemos, Senhor Jesus, esta primeira dezena para honrar a vossa Encarnação no seio de Maria. Vos pedimos, por este mistério e por intercessão de Vossa Mãe Santíssima, uma profunda humildade. Todos: Amém.
Pai Nosso... 10 Ave-Marias... Glória...
Que a graça do mistério da encarnação desça sobre nós. Todos: Amém.

2° Mistério: A VISITAÇÃO.
Nós vos oferecemos, Senhor Jesus, esta segunda dezena para honrar a vossa Visitação de vossa Mãe a sua prima Santa Isabel e a santificação de São João Batista. Vos pedimos, por este mistério e por intercessão de Vossa Mãe Santíssima, a caridade para com o nosso próximo. Todos: Amém.
Pai Nosso... 10 Ave-Marias... Glória...
Que a graça do mistério da visitação desça sobre nós. Todos: Amém.

3° Mistério: O NASCIMENTO DE JESUS.
Nós vos oferecemos, Senhor Jesus, esta terceira dezena para honrar o vosso nascimento no estábulo de Belém. Vos pedimos, por este mistério e por intercessão de Vossa Mãe Santíssima, o desapego dos bens terrenos, o desprezo das riquezas e o amor à pobreza. Todos: Amém.
Pai Nosso... 10 Ave-Marias... Glória...
Que a graça do mistério do nascimento de Jesus desça sobre nós. Todos: Amém.

4° Mistério: A APRESENTAÇÃO NO TEMPLO.
Nós vos oferecemos, Senhor Jesus, esta quarta dezena para honrar a vossa apresentação no Templo e a purificação de Nossa Senhora. Vos pedimos, por este mistério e por intercessão de Vossa Mãe Santíssima, uma grande pureza de corpo e alma. Todos: Amém.
Pai Nosso... 10 Ave-Marias... Glória...
Que a graça do mistério da apresentação de Jesus no Templo desça sobre nós. Todos: Amém.

5° Mistério: O REENCONTRO DE JESUS.
Nós vos oferecemos, Senhor Jesus, esta quinta dezena para honrar a vossa perda no Templo e o reencontro por Maria. Vos pedimos, por este mistério e por intercessão de Vossa Mãe Santíssima, a verdadeira Sabedoria. Todos: Amém.
Pai Nosso... 10 Ave-Marias... Glória...
Que a graça do mistério do reencontro de Jesus desça sobre nós. Todos: Amém.

Mistérios Dolorosos (Nas Terças, Sextas e na Quaresma)
1° Mistério: A AGONIA DE JESUS.
Nós vos oferecemos, Senhor Jesus, esta primeira dezena para honrar a vossa agonia mortal no Jardim das Oliveiras. Vos pedimos, por este mistério e por intercessão de Vossa Mãe Santíssima, a contrição de nossos pecados. Todos: Amém.
Pai Nosso... 10 Ave-Marias... Glória...
Que a graça do mistério da agonia de Jesus desça sobre nós. Todos: Amém.

2° Mistério: A FLAGELAÇÃO.
Nós vos oferecemos, Senhor Jesus, esta segunda dezena para honrar a vossa sangrenta flagelação. Vos pedimos, por este mistério e por intercessão de Vossa Mãe Santíssima, a mortificação de nossos sentidos. Todos: Amém.
Pai Nosso... 10 Ave-Marias... Glória...
Que a graça do mistério da flagelação desça sobre nós. Todos: Amém.

3° Mistério: A COROAÇÃO DE ESPINHOS.
Nós vos oferecemos, Senhor Jesus, esta terceira dezena para honrar a vossa coroação de espinhos. Vos pedimos, por este mistério e por intercessão de Vossa Mãe Santíssima, o desprezo do mundo. Todos: Amém.
Pai Nosso... 10 Ave-Marias... Glória...
Que a graça do mistério da coroação de espinhos desça sobre nós. Todos: Amém.

4° Mistério: JESUS LEVA A CRUZ ÀS COSTAS.
Nós vos oferecemos, Senhor Jesus, esta quarta dezena para honrar o carregamento da cruz. Vos pedimos, por este mistério e por intercessão de Vossa Mãe Santíssima, a paciência em todas as nossas cruzes. Todos: Amém.
Pai Nosso... 10 Ave-Marias... Glória...
Que a graça do mistério da carregamento da cruz desça sobre nós. Todos: Amém.

5° Mistério: A CRUCIFIXÃO E MORTE.
Nós vos oferecemos, Senhor Jesus, esta quinta dezena para honrar a vossa morte sobre o Calvário. Vos pedimos, por este mistério e por intercessão de Vossa Mãe Santíssima, a conversão dos pecadores, a perseverança dos justos e o alívio das almas do purgatório. Todos: Amém.
Pai Nosso... 10 Ave-Marias... Glória...
Que a graça do mistério da Crucifixão e Morte de Jesus desça sobre nós. Todos: Amém.

Mistérios Gloriosos (Nas Quartas, Sábados, Domingos e no tempo de Páscoa)
1° Mistério: A RESSURREIÇÃO.
Nós vos oferecemos, Senhor Jesus, esta primeira dezena para honrar a vossa ressurreição gloriosa. Vos pedimos, por este mistério e por intercessão de Vossa Mãe Santíssima, o amor de Deus e o fervor no Vosso santo serviço. Todos: Amém.
Pai Nosso... 10 Ave-Marias... Glória...
Que a graça do mistério da ressurreição de Jesus desça sobre nós. Todos: Amém.

2° Mistério: A ASCENSÃO DE JESUS.
Nós vos oferecemos, Senhor Jesus, esta segunda dezena para honrar a vossa triunfante ascensão. Vos pedimos, por este mistério e por intercessão de vossa Mãe Santíssima, um ardente desejo do céu, nossa querida Pátria. Todos: Amém.
Pai Nosso... 10 Ave-Marias... Glória...
Que a graça do mistério da ascensão de Jesus desça sobre nós. Todos: Amém.
3° Mistério: A DESCIDA DO ESPÍRITO SANTO.
Nós vos oferecemos, Senhor Jesus, esta terceira dezena para honrar o mistério de Pentecostes. Vos pedimos, por este mistério e por intercessão de vossa Mãe Santíssima, a descida do Espírito Santo em nossas almas. Todos: Amém.
Pai Nosso... 10 Ave-Marias... Glória...
Que a graça do mistério de Pentecostes desça sobre nós. Todos: Amém.

4° Mistério: A ASSUNÇÃO DE MARIA.
Nós vos oferecemos, Senhor Jesus, esta quarta dezena para honrar a ressurreição e a triunfal assunção de Vossa Mãe ao céu. Vos pedimos, por este mistério e por sua intercessão, uma terna devoção para com tão boa mãe. Todos: Amém.
Pai Nosso... 10 Ave-Marias... Glória...
Que a graça do mistério da assunção de Nossa Senhora desça sobre nós. Todos: Amém.

5° Mistério: A COROAÇÃO DE MARIA NO CÉU.
Nós vos oferecemos, Senhor Jesus, esta quinta dezena para honrar a coroação de Maria como Rainha dos céus e da terra. Vos pedimos por este mistério e por sua intercessão, a perseverança na graça e a coroa da glória. Todos: Amém.
Pai Nosso... 10 Ave-Marias... Glória...
Que a graça do mistério da coroação de Maria desça sobre nós. Todos: Amém.

5º passo
No final dos mistérios é feito o agradecimento.
Infinitas graças vos damos, Soberana Rainha, pelos benefícios que todos os dias recebemos de vossas mãos liberais. Dignai-vos agora e para sempre tomar-nos debaixo do vosso poderoso amparo para mais vos agradar vos saudamos com uma SALVE RAINHA.

6ºPasso
Reza-se a Salve Rainha
Salve Rainha, Mãe de Misericórdia, vida, doçura, esperança nossa, salve! A vós bradamos, os degredados filhos de Eva; a vós suspiramos gemendo e chorando neste vale de lágrimas. Eia, pois, advogada nossa esses olhos misericordiosos a nós volvei, e depois deste desterro nos mostrai a Jesus, bendito fruto do vosso ventre; ó Clemente, ó Piedosa, ó Doce, sempre Virgem Maria.
Rogai por nós, Santa Mãe de Deus.
Para que sejamos dignos das promessas de Cristo. Amém.

Oração a São José (para depois do terço)
A vós, São José, recorremos em nossa tribulação e, depois de ter implorado o auxílio de vossa santíssima esposa, cheios de confiança solicitamos também o vosso patrocínio. Por esse laço sagrado de caridade que vos uniu à Virgem Imaculada, Mãe de Deus, e pelo amor paternal que tivestes ao Menino Jesus, ardentemente suplicamos que lanceis um olhar benigno sobre a herança que Jesus Cristo conquistou com Seu sangue, e nos socorrais em nossas necessidades com o vosso auxílio e poder.
Protegei, ó guarda providente da divina família, a raça eleita de Jesus Cristo.
Afastai para longe de nós, ó pai amantíssimo, a peste do erro e do vício. Assisti-nos do alto do céu, ó nosso fortíssimo sustentáculo, na luta contra o poder das trevas e assim como outrora salvastes da morte a vida ameaçada do Menino Jesus, assim também defendei agora a Santa Igreja de Deus das ciladas de seus inimigos e de toda a adversidade.
Amparai a cada um de nós com o vosso constante patrocínio, a fim de que, a vosso exemplo e sustentados com o vosso auxílio, possamos viver virtuosamente, morrer piedosamente, e obter no céu a eterna bem-aventurança. Assim seja.
ORAÇÕES REZADAS NO TERÇO:
Pai-Nosso
Pai-Nosso que estais no Céu, santificado seja o vosso nome; venha a nós o vosso reino; seja feita a vossa vontade assim na terra como no céu. O pão nosso de cada dia nos dai hoje; perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido; e não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal. Amém.

Ave-Maria
Ave-Maria, cheia de graça, o Senhor é convosco; bendita sois vós entre as mulheres; e bendito é o fruto do vosso ventre, Jesus. Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós pecadores, agora e na hora de nossa morte. Amém.

Glória ao Pai
Glória ao Pai, e ao Filho e ao Espírito Santo. Como era no princípio, agora e sempre. Amém.



NOSSA SENHORA E A EUCARISTIA
Preparar, com Nossa Senhora, a Solenidade do Corpo de Deus, a Solenidade do Corpo e Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo, é tentar preparar com a Mãe a grande Solenidade de Jesus, seu Filho. Este ano esta preparação tem uma novidade mais empolgante: trata-se de preparar o Congresso Eucarístico Nacional, a realizar em Braga de 3 a 6 de Junho. Quando, na última Ceia, Jesus afirmou: Tomai e comei isto é o meu Corpo; e mais adiante disse: Tomai e bebei é o Cálice do meu Sangue, estava a referir-se ao dom pleno de Si mesmo, à entrega total da sua vida, do seu amor, de todo o seu ser. Por isso dizemos: Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Jesus Cristo, Deus e Homem verdadeiro, Filho de Deus e Filho de Maria. O Senhor Jesus que Se oferece na Ceia e renova a sua oferta no Banquete sagrado do altar, é o Filho de Maria de Nazaré. Daí que o Senhor que temos no sacrifício do altar, que renova o do Calvário, é carne da carne de Maria, é sangue do seu sangue. Verdadeiro Filho, gerado no seio de Nossa Senhora, oferece a sua vida por nós. Mas essa vida veio de Maria, esse corpo foi gerado no ventre sagrado da Virgem Puríssima Santa Maria. A Eucaristia é, por isso, dádiva de Maria, foi Ela que O gerou, O deu à luz no Presépio, O ofereceu no Calvário. O sim de Jesus ao Pai e à sua vontade, a oferta de Jesus na Cruz, correspondem ao momento máximo do sim de Nossa Senhora. Ambos estão unidos pela mesma dádiva. Ele oferece-Se e Ela oferece-O e oferece-Se com Ele. Em cada Eucaristia celebrada em Igreja e pela Igreja, Jesus renova a sua oferta e Maria está misticamente presente, oferecendo-o e oferecendo-Se. Ela é a Mãe do Pão Vivo descido do Céu, é a Senhora do Santíssimo Sacramento, é a Mãe de Jesus Vivo e Glorioso que Se dá a nós em cada Eucaristia. Não sabemos, por dados da Escritura ou da Tradição, se Nossa Senhora esteve presente na última Ceia, mas sabemos que acompanhou os cristãos, nas comunidades primitivas, dum modo particular em Jerusalém, e que, porventura, teria participado alguma vez na fracção do pão, na Ceia, celebrada por S. João ou algum dos outros Apóstolos. Se assim foi, se Maria esteve nalguma Eucaristia, se Ela comungou , voltou a receber dum modo eucarístico, Aquele que tinha gerado e dado à luz. Fecha-se o círculo dos mistérios: volta a entrar nEla, pela Eucaristia, o que dEla saiu, no nascimento no Presépio. Ela é de todos os modos a Mãe de Jesus Eucaristia e sem Ela, não tínhamos o Corpo e o Sangue para ser oferecido na Cruz e, agora, ser recebido no altar no Banquete Sagrado.
Convidados a viver durante o mês de Maio o mistério da vida de Nossa Senhora, podemos e devemos celebrá-lo em Eucaristia, preparando, em Igreja, o Congresso Eucarístico. Quem melhor que Nossa Senhora, a Mãe do Pão do Céu, poderá ajudar-nos ? Com Ela celebremos o amor eucarístico. Com Ela, cada dia, preparemos a Eucaristia. Com Ela, a Mãe da eucaristia, o Mãe do Pão do Céu, celebremos o amor de Deus que nos dá a graça de participar no Banquete Sagrado.
 

751 ANOS DA DEVOÇÃO AO ESCAPULÁRIO DO CARMO.

O Escapulário do Carmo é um pedaço de pano (lã) que, com a imagem de Nossa Senhora e como sinal de devoção à Maria Santíssima, é colocado sobre os ombros, pendendo uma parte ao peito, outra sobre as costas. A palavra escapulário vem do Latim scapulæ, que quer dizer ombros.
Origem da devoção:

No ano 1251 (século XIII) Nossa Senhora deu a S. Simão Stock o escapulário. O santo tinha pedido à Maria Ssma. um sinal de proteção à Ordem do Carmo. Ela então lhe apareceu e entregou-lhe o escapulário, dizendo-lhe: "Meu filho, recebei o Escapulário de vossa Ordem... Todo aquele que morrer revestido deste santo Escapulário, não arderá nas chamas do inferno. Este hábito é um sinal de salvação..."

Privilégios

I - Proteção. A todos os que trazem sempre e devotamente o escapulário, Nossa Senhora dispensa uma proteção especial durante a vida e também na hora da morte. Requer-se, é claro, que a pessoa leve uma vida cristã cumprindo fielmente as leis de Deus.
II - Privilégio sabatino. A Santíssima Virgem confirmou que gostava desta devoção. No século XIV, (ano 1314) outra vez apareceu Ela ao Papa João XXII dizendo-lhe que ficava contente ao ver os que traziam o seu escapulário sempre. Por isso lhes prometia que, se morressem com ele (o escapulário), Ela ajudaria e consolaria suas almas no Purgatório e as livraria muito brevemente dele, no primeiro sábado depois da sua morte.

Condições para participar dos privilégios:

I - Para obter a proteção de Nossa Senhora na vida e na morte, é preciso:
a) receber o escapulário, na forma prescrita, de um sacerdote que tenha autorização;
b) trazer sempre o escapulário de dia e de noite sobre o corpo, com sentimento de piedade cristã.
II - Para ganhar o privilégio sabatino, além das condições acima:
a) guardar a castidade, segundo o próprio estado;
b) Rezar todos os dias o Ofício pequeno de N. Senhora do Carmo - ou : abster-se de carne às quartas e sábados (o sacerdote que impõe o escapulário pode trocar a reza do Ofício ou a abstinência em outra oração ou prática);
c) Guardar os jejuns e abstinências prescritas pela Santa Igreja.
Observações:

1. O escapulário, estragando-se por qualquer motivo, pode ser substituído por outro semelhante; não é necessário que seja bento e imposto de novo pelo sacerdote.
2. Se alguém deixar de trazer o escapulário, neste tempo não goza de seus privilégios; mas, se tornar a trazê-lo, pode recuperá-los.

 

MEIGA MENINA, DOCE MARIA
L.M Ademir de Oliveira Maciel 29/08/02

EM SUA CASA, CONTENTE ESTAVA
FAZENDO PLANOS PRA CASAR COM UM CARPINTEIRO.

MEIGA MENINA, DOCE MARIA,
QUE IA SER A MÃE DE CRISTO NEM SABIA.

EM CERTA TARDE, FOI VISITADA
POR UM ANJO CHAMADO GABRIEL
QUE LHE DISSE, SERÁS A MÃE DE UM MENINO, REI DOS REIS E REI DO CÉU.

SERÁS BENDITA, ENTRE AS MULHERES
MESMO TENDO MUITO QUE PADECER
SERÁS A ÚNICA, DE TODO MUNDO QUE SEM PECADO CONCEBIDO HÁ DE VIVER.

SEU SOFRIMENTO, SERÁ LEMBRADO
ONDE TODOS A PALAVRA CONHECER.
IRÃO SABER QUE O SEU FILHO, MESMO INOCENTE, POR TODOS NÓS VEIO MORRER.
 

VIRGINDADE DE MARIA
Pergunta: Como é possível que Maria seja ao mesmo tempo virgem e mãe de Jesus? É difícil aceitar uma coisa que vai contra as leis da biologia sobre a geração humana.
Resposta:
A ciência observa e explica o que acontece normalmente no mundo. No caso da geração de um ser humano, afirma que ela é o resultado da fecundação de um óvulo feminino por um espermatozóide masculino. Mas a concepção de Jesus no seio de Maria, sem intervenção de um pai humano, não foi um acontecimento normal. Só pode ser compreendida por quem acredita que o mundo é criado por Deus. Isto significa não só que ele é a origem de toda a realidade, mas também que tudo depende dele a cada instante. Ele pôde assim usar outros meios da própria natureza para estimular a reprodução de uma célula germinal no seio de Maria. Tudo mais procede normalmente. A gravidez dura nove meses e a criança nasce e cresce como qualquer outra.
A concepção virginal de Jesus não pode ser constatada cientificamente. Ela ultrapassa todas as possibilidades humanas. É uma verdade de fé. A Igreja crê que Jesus é filho de uma virgem porque este fato é atestado no Evangelho. "O que foi gerado nela vem do Espírito Santo" (Mt 1,20). O Evangelho e a Igreja não estão interessados no processo da concepção de Jesus que mencionamos no início, mas no significado do fato que Jesus é filho de uma mulher, mas não tem um pai na terra. Isto quer dizer que ele pertence realmente à raça humana, é nosso irmão, enquanto filho de Maria; mas, ao mesmo tempo, tem sua origem diretamente em Deus: é o Filho de Deus.
A encarnação do Filho de Deus no seio de Maria é o acontecimento central da história da salvação. É uma intervenção especial de Deus no curso da história para realizar a salvação da humanidade. A virgindade de Maria, que concebe seu filho exclusivamente pelo poder do Espírito Santo, sem a colaboração de um homem, é uma conseqüência de outra verdade ainda mais fundamental para nossa fé: Maria é a mãe do Filho de Deus feito homem. Deus é o único Pai de Jesus: ele que é a fonte de toda vida e nos criou à sua imagem e semelhança. O Pai de Jesus não é o Espírito Santo, mas a primeira pessoa da santíssima Trindade. O Espírito Santo é a força divina e criadora que Deus Pai comunicou a Maria, como comunicou aos profetas e aos apóstolos, e comunica a nós no batismo, para que ela pudesse cumprir sua missão excepcional, única, de ser a mãe do Messias, o Filho de Deus. (João A. Mac Dowell S.J.)

Pergunta:
O Evangelho fala dos irmãos e irmãs de Jesus. Por que a Igreja Católica não aceita, como os crentes, que Maria teve outros filhos, além de Jesus?
Resposta:
A idéia que Maria teve outros filhos além de Jesus é fruto de um mal-entendido. É verdade que os evangelhos falam de irmãos e irmãs de Jesus. Por exemplo em Mc 6,3 o povo de Nazaré exclama: "Não é este o carpinteiro, filho de Maria, irmão de Tiago, de José, de Judas e de Simão? Suas irmãs não vivem aqui entre nós?". Mas nas línguas semíticas, como o aramaico, falado por Jesus, o termo "irmão" pode ser usado num sentido mais amplo, para designar também os primos e parentes próximos, quer dizer, os membros de sua família. Por exemplo, no livro do Gênese (14,14) Abraão chama seu sobrinho Lot de irmão (cf.13,8). E no Primeiro livro das Crônicas os filhos de Quiche são chamados irmãos das filhas de Eleazar, que eram suas primas (23,21-23).
Nos evangelhos os irmãos de Jesus nunca são chamados "filhos de Maria", sua mãe. E nas narrações da infância de Jesus só aparecem José, Maria e seu filho: sinal que os tais irmãos não pertenciam à família, propriamente dita, que vai e volta do Egito ou vive na casa de Nazaré. São apenas seus parentes. Dois dos quatro irmãos de Jesus, citados há pouco, Tiago e José, são filhos de outra Maria, como dizem expressamente Mateus (27,56.61) e Marcos. Muito importante também é o fato de que, ao pé da cruz, antes de morrer, Jesus confia sua mãe a João, filho de Zebedeu, seu amigo e discípulo (Jo 19,26s). Isto seria impossível, sobretudo para a mentalidade daquele tempo, se Jesus tivesse verdadeiros irmãos.
Todas estas indicações dos evangelhos mostram claramente que a Igreja tem razão quando diz que Maria não teve outros filhos, mas, como o próprio Jesus, permaneceu virgem toda a sua vida. Isto não quer dizer que teria sido uma desonra para Maria ter filhos de José, seu esposo. Não há nada de mau e pecaminoso nas relações entre marido e mulher. Mas no plano de Deus, Maria, mãe de Jesus, deveria ser virgem, como símbolo e modelo da Igreja, que deve consagrar todo o seu amor exclusivamente a Cristo, seu esposo. E ela compreendendo este chamado de Deus foi fiel até o fim à sua vocação. (João A. Mac Dowell S.J.)


IMACULADA CONCEIÇÃO

Pergunta:
Que quer dizer "imaculada conceição"? Sei que essa expressão se refere a Nossa Senhora, mas não entendo bem o que significa.
Resposta:
Você tem razão: o nome de Conceição ou Maria da Conceição é dado a muitas meninas em honra da imaculada conceição de Nossa Senhora. Conceição é o mesmo que concepção; quer dizer aqui o ato de ser concebido ou gerado no seio de uma mulher. Imaculada significa: sem mancha. Muitos pensam que quando a Igreja usa estes termos está se referindo à pureza imaculada da concepção de Jesus no seio de Maria. É certo que Jesus não nasceu da relação de Maria com um homem, mas por obra do Espírito Santo. É o que afirmamos no Credo dizendo: Nasceu de Maria virgem. Mas não é por causa de sua virgindade que a Igreja dá a Nossa Senhora o título de "Imaculada Conceição". Este título se refere à concepção da própria Maria no seio de sua mãe. Não significa, porém, que a sua concepção foi virginal como a de Jesus. Ela nasceu, como as outras pessoas, da relação conjugal de um homem e uma mulher, que a Igreja chama de S.Joaquim e S.Ana. Mas a conceição imaculada de Maria não tem nada a ver com seus pais. É um dom de Deus a Maria. Significa que desde o início de sua existência ela esteve livre do pecado original. A fé nos ensina que toda a humanidade participa do pecado dos primeiros seres humanos, que a Bíblia denomina Adão e Eva. É como uma tara hereditária que uma pessoa transmite a todos os seus descendentes. Todos nós experimentamos que somos pecadores. Se somos sinceros, devemos reconhecer que não seguimos sempre a nossa consciência. A família humana ficou marcada por esta mancha. Só Jesus Cristo pode livrar-nos do pecado e de suas conseqüências. Pela fé e pelo batismo nos reconciliamos com Deus e voltamos a viver como seus filhos e filhas. Mas Maria teve um privilégio especialíssimo. Porque no plano de Deus estava destinada a ser a mãe de Jesus Cristo, o Salvador, ela foi liberada da mancha do pecado desde a sua concepção. Jamais esteve separada de Deus. E ao tornar-se consciente de sua existência, confirmou com um "sim" a sua vontade de pertencer a Deus e obedecer a seus mandamentos. É esta santidade de Maria, cheia de graça, que a Igreja proclama quando fala de sua imaculada conceição. (João A. Mac Dowell S.J.)

Pergunta:
Como a Igreja ensina que Nossa Senhora foi concebida sem pecado, se, segundo a Bíblia, Jesus morreu na cruz para salvar toda a humanidade do pecado?
Resposta:
É verdade que Jesus Cristo é o Salvador de todos, mesmo das pessoas que viveram antes de seu nascimento. Foi prevendo a encarnação e morte de seu Filho que Deus comunicou a Abraão e a todos os justos do Antigo Testamento a graça da fé na sua promessa de salvação. Como Filho de Deus, feito homem, Jesus é o único que não precisa ser salvo do pecado, que afeta toda a família humana. Maria também foi salva do pecado pela graça que Cristo, seu filho, iria merecer com sua paixão e morte. Ela pertence à humanidade pecadora. Não poderia livrar-se dessa situação por seus próprios méritos. Não seria capaz de agradar a Deus, sem a força do Espírito Santo que Cristo oferece a todos. Mas, ao mesmo tempo que afirma esta verdade, a Igreja Católica, acolhendo a palavra de Deus na Bíblia, acredita também que Maria, mãe de Jesus, esteve livre do pecado desde o primeiro instante de sua existência. Nisso consiste a sua imaculada conceição. A grande diferença entre Maria e nós, é que nós pela graça de Cristo somos libertados do pecado, que já existe em nós, tanto o pecado original como os pecados pessoais. Maria, ao contrário, foi preservada de qualquer pecado desde que foi concebida, porque recebeu naquele instante o Espírito Santo de Deus. Por isso, ela já é "cheia de graça", como diz o mensageiro do céu, antes do momento da encarnação. Este novo nome dado a Maria significa que Deus a amou de um modo todo especial, não permitindo que ela estivesse separada dele em nenhum momento de sua existência. Este privilégio de Maria se fundamenta na sua escolha para ser mãe do próprio Filho de Deus. Para cumprir esta missão ela precisava ser perfeitamente santa, não opondo a mínima resistência ao plano de Deus. De fato, Maria aceitou sem nenhuma restrição o convite de Deus, quando disse: "Eis aqui a serva do Senhor. Que ele faça de mim o que dizem as tuas palavras". Mas esta entrega incondicional de Maria à vontade de Deus não seria possível se em sua vida tivesse havido qualquer sombra de pecado. Por isso, a Igreja louva Maria santíssima como Isabel, que, cheia do Espírito Santo, exclamou: "Bendita es tu entre as mulheres e bendito é o fruto de teu seio!". (João A. Mac Dowell S.J.)