Informativo Santo Antônio
Nossos Governantes

Queridos irmãos e irmãs:

Depois do grande Papa João Paulo II, os senhores cardeais elegeram a mim, um simples, humilde trabalhador na vinha do Senhor. Consola-me o fato de que o Senhor sabe trabalhar e atuar com instrumentos insuficientes e, sobretudo, confio em vossas orações. Na alegria do Senhor ressuscitado, confiados em sua ajuda permanente, sigamos adiante. O Senhor nos ajudará. Maria, sua santíssima Mãe, está do nosso lado. Obrigado."
 

Biografia

O cardeal alemão Joseph Ratzinger, que completou 78 anos no último sábado, foi escolhido o novo chefe da Igreja Católica Apostólica Romana em substituição a João Paulo II. O decano dos cardeais foi considerado o "braço direito" de seu antecessor nas questões doutrinárias e deve dar continuidade aos trabalhos de internacionalização do pontificado anterior. O teólogo alemão foi durante 23 anos Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé do Vaticano. O cardeal começou a ganhar atenção ao chegar a Roma, em 1962, como teólogo conselheiro do cardeal Joseph Frings [de Colônia, Alemanha] no Segundo Concílio do Vaticano. Aos 35 anos se converte em uma espécie de referência da teologia. Mas foi em 1968 que Ratzinger ganhou destaque, quando travou uma luta ferrenha contra o marxismo e o ateísmo, que cresciam entre os jovens. Em várias ocasiões, Ratzinger declarou que gostaria de se aposentar em uma vila na Baviera e se dedicar a escrever livros. Mas, recentemente, disse a amigos que estava pronto para "aceitar qualquer responsabilidade que Deus colocasse sobre ele". Depois da morte de João Paulo II, no dia 2 de abril, Ratzinger deixou sua função como encarregado da Congregação para a Doutrina da Fé. O cardeal se comunica em dez línguas e recebeu sete doutorados honorários. É considerado um excelente pianista, e tem preferência por obras de Beethoven (1770-1827). Ratzinger é o oitavo sumo pontífice alemão do Vaticano. Além de um fã-clube na internet , é possível encontrar um site dos "Ratzinger boys" [jovens seguidores do cardeal].

Currículo de Bento XVI

O cardeal nasceu em um Sábado de Aleluia em Marktl am Inn, na Baviera, em 16 de Abril de 1927, e foi batizado no mesmo dia. Filho de um policial, Ratzinger viajou por muitas cidades devido às intermináveis transferências de local de trabalho impostas a seu pai.
Em dezembro de 1932, devido às críticas abertas do pai de Ratzinger contra os nazistas, sua família foi obrigada a se mudar para Auschau am Inn, nos alpes da Baviera. Cinco anos mais tarde, com a aposentadoria de seu pai, a família de Ratzinger se mudou para Hufschlag, nos arredores da cidade de Traunstein (Baviera), onde Ratzinger passou a maior parte de sua adolescência.
Ratzinger começou a estudar latim e grego ainda no ginásio. Em 1939, aos 12 anos, dá o primeiro passo para sua carreira eclesiástica e entra para o pequeno seminário de Traunstein.
Quatro anos mais tarde Ratzinger e seus colegas de seminário foram convocados para o Flak [corporação antiaérea], responsável pela proteção de uma fábrica da BMW em Munique, durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Ainda assim, continua freqüentando as aulas no Maximilians-Gymnasium (Munique) três vezes por semana.
Em setembro de 1944, quando atingiu a idade militar, Ratzinger foi liberado da Flak e voltou para casa. Em novembro do mesmo ano, Ratzinger se alistou no treinamento básico da infantaria alemã, mas por motivos de doença [não-divulgados] foi dispensado da maioria das obrigações militares severas.

Prisioneiro de guerra 

Em abril  de 1945, com a aproximação das forças aliadas, Ratzinger desertou do Exército e se dirigiu para sua casa em Traunstein. Quando os americanos finalmente chegaram a seu vilarejo, eles resolveram estabelecer um quartel-general na casa de Ratzinger, que foi identificado como um soldado alemão e preso num campo para prisioneiros de guerra.
Em junho do mesmo ano foi libertado e voltou mais uma vez para sua casa em Traunstein, seguido por seu irmão Georg, em julho. Em novembro, finalmente, Ratzinger e seu irmão retornaram ao seminário.
Em 1947, Ratzinger entrou no Herzogliches Georgianum, instituto teológico associado à Universidade de Munique. Paralelamente, estudou filosofia e teologia na universidade de Munique e na Escola Superior de Freising.
No dia 29 de junho de 1951, Ratzinger e seu irmão foram ordenados padres pelo cardeal Faulhaber de Munique na Catedral de Freising, durante a festa de São Pedro e São Paulo.

O escritor
Dois anos depois, Ratzinger recebeu seu doutorado em teologia pela universidade de Munique. Em seguida, ele produziu seu primeiro trabalho importante: "Volk und Haus Gottes in Augustins Lehre von der Kirche" ("O povo e a Casa de Deus na doutrina de Santo Agostinho para a Igreja", em tradução livre).
Ratzinger dedicou seu "Habilitationsschrift" [tese de pós-doutorado] para a história da teologia.
Em 15 de abril de 1959, Ratzinger começou a lecionar como professor titular de teologia na universidade de Bonn, onde permaneceu até 1969, e na universidade de Münster [de 1963 a 1966].
Ratzinger perdeu seu pai em 1959. Quatro anos depois, sua mãe. 
Em 1966, já bastante conhecido, conseguiu uma cadeira em teologia dogmática na universidade de Tübingen, onde sua indicação foi fortemente apoiada e defendida pelo teólogo suíço Hans Küng. Ratzinger continuava convicto sobre sua visão tradicionalista apesar da atmosfera liberal de Tübingen, no Estado de Baden-Württemberg, e da tendência marxista do movimento estudantil nos anos 60.
Três anos mais tarde, ele retornou para a Baviera e foi para a Universidade de Regensburg, onde foi professor de teologia dogmática e de história do dogma, além de vice-presidente e reitor da universidade. Posteriormente transformou-se em conselheiro teológico dos bispos alemães.
Em 1972, Ratzinger fundou o jornal trimestral teológico "Communio" com os teólogos Hans Urs von Balthasar [suíço] e Henri de Lubac (1896-1991, francês), entre outros. "Communio", agora publicado em alemão, inglês e espanhol, tornou-se um dos mais importantes jornais do pensamento católico.
Cinco anos depois, em março de 1977, Paulo VI elegeu Ratzinger arcebispo de Munique e Freising e, em maio, foi consagrado o primeiro padre diocesano a conquistar o Ministério Pastoral da Grande Diocese da Baviera.
O papa Paulo VI também nomeou Ratzinger cardeal no consistório [assembléia de cardeais presidida pelo sumo pontífice], em 27 de junho de 1977. Depois disso, ele e se tornou bispo de Velletri-Segni e Ostia --que tradicionalmente é a "ante-sala" para o trono do papado.
Em 25 de novembro de 1981, o papa João Paulo II nomeou Ratzinger encarregado da Congregação para a Doutrina da Fé, anteriormente conhecida como Tribunal da Santa Inquisição, que foi renomeado em 1908 pelo papa Pio X. Ele também presidiu as comissões bíblica e pontifícia internacional teológica

Padre Joaquim Vicente dos Santos, nascido em 21 de Novembro de 1957 em São Bento do Sapucaí - SP. Filho de Antônio Porfírio dos Santos e Paulina Maria de Jesus sendo o caçula de uma família de 12 filhos, do qual duas irmãs são Freiras. Com 16 anos de idade foi para o seminário. Recebeu o Sacramento da Ordem em 1985, iniciando sua missão como Pároco na Igreja de Santo Antônio, em Santo Antônio do Pinhal ficando de 1985 à 1991, sendo transferido para Caçapava para a Paróquia de Santo Antônio de Pádua em 06/01/91 onde com muito esforço e dedicação, conseguiu junto com a comunidade, construir o nosso Santuário.
Pela sua dedicação e pelo seu serviço prestado, ao senhor Padre Joaquim, o nosso muito obrigado!!

 

Dom Carmo João Rhoden, SCJ Bispo de Taubaté - SP. Está na atual função desde 17/8/1996
Ordenação episcopal 17/8/1996 Taubaté, SP
Nomeação - 22/5/1996 - Ordenação presbiteral - 17/12/1966 Roma / Itália -  Nascimento - 16/5/1939-São José do Inhacorá,Brasil  LEMA: "Sentire Cum Christo Et Ecclesia" (Sentir com Cristo e com a Igreja). Atividades exercidas durante o episcopado:
Presidente do Sub-Regional Sul I; Assessor Episcopal da OSIB e C. Presbíteros Sul I. Atividades exercidas antes do episcopado: Professor de Teologia no Instituto Teológico SCJ de Taubaté, SP (1970-1972); Vigário paroquial em Joinville (1973-1978); Diretor Espiritual no Convento SCJ de Brusque, SC (1979-1984); Superior da Comunidade Religiosa em Brusque, SC (1981-1984); Pároco da Paróquia SCJ em Joinville, SC (1985-1994), e São Luiz Gonzaga em Brusque, SC (de 1994 em diante). Estudos realizados: Especialização Moral, Alfonsianum, Roma / Itália.  Teologia: Pontifícia Universidade Gregoriana, Roma / Itália (1963-1967). Filosofia: Iniciada em Brusque-SC e continuada na Universidade Federal de Santa Catarina e concluída na Universidade de Passo Fundo, RS.
Outros cursos De formação permanente (1 mês).
Ensino médio: Corupá, SC.
Ensino fundamental e básico Três Passos-RS e Corupá-SC.
Endereço residencial Fone Fax
Travessa Clementino Ribeiro, 26 Centro
12010-090 Taubaté SP (12) 233-1761 (12) 232-2855 R.200
Correio eletrônico
rhodenscj@uol.com.br

João Carlos de Andrade - Dia 25 de Novembro de 1943, sob as bênçãos de Santa Luzia, em seu bairro de famílias tradicionais, nascia o nosso querido e hoje amado Diácono João Carlos. Filho de Benedito Ramos de Andrade e Maria de Lourdes de Andrade. Seus pais eram de formação simples mas muito severos na educação dos filhos. Junto com sua irmã Maria Lucia, desde cedo foram criados na Religião Católica. Ainda jovem, era um assíduo participante das festas tradicionais na Matriz de São João Batista. Não deixava de acompanhar as procissões e ficava sempre perto do Andor. Começava a nascer, despertar ai a sua vocação. Quando a mocidade chegou, seus pensamentos não foram desviados para as coisas do mundo. Ele tornou-se um Vicentino e Congregado Mariano. Sempre elogiado por seus amigos por seu caráter, inteligência e honestidade. Uma de suas qualidades marcantes e não gostar da palavra Preguiça. Foi em uma festa familiar em Taubaté que conheceu sua esposa Lourdinha, também nascida e criada em berço cristão. Dessa união, nasceram dois filhos: Antonio Carlos e Ana Claudia. As vezes ou quase sempre, o chamam de Vovô coruja por gostar e estar muito ligado aos seus dois netos João Carlos e Ana Teresa como também, ter uma admiração muito grande pelo seu genro Selmo. Para a nossa felicidade foi convidado a fazer o curso de Diácono, e hoje e um dos três Diáconos em nosso Santuário. Em seu cotidiano esta sempre como que celebrando a alegria. E muito querido também pelas crianças e nos também o admiramos muito. Parabéns Diácono: Pai, Esposo, Amigo e Irmão João Carlos pelos seus sessenta (60) anos de vida. Que Deus o abençoe, que Nossa Senhora o acompanhe e que Santo Antonio o proteja sempre.

 

+ 02/04/2005

                Karol Wojtyla: de Lolek a João Paulo II

Karol Wojtyla nasceu no dia 18 de maio de 1920, uma época de guerra entre a Polônia e a República Soviética, na cidade de Vadovice. Sua mãe, Olga, tinha a saúde debilitada, mas o mimava muito. Chamava Karol de Lolek e às vezes de Lolus - o diminutivo do apelido. Seu pai era um tenente do exército polonês, mas velho demais para ir ao front, por isso, sempre ajudou na criação dos filhos. Karol tinha também um irmão mais velho, Edmund, por quem nutria muita admiração. Antes dos 21 anos, o futuro papa já havia perdido toda a sua família. A mãe morrera quando ele tinha apenas oito anos. Pouco depois morreu o irmão, que estudava medicina e foi vítima de uma epidemia em um hospital. Em 1941, morreu seu pai em um dos mais rigorosos invernos da Polônia. Nesta época, Karol Wojtyla, que adorava poemas, escreveu um lembrando a dor e Deus: Sei que sou pequeno/ Mas há outros ainda menores que eu/ Ele me escolheu, Ele me lança nas cinzas/ Ele pode fazer isso - mas por quê?/ Por que fazer isso comigo?/ Ele é o provedor. Bem antes de se tornar o Papa João Paulo II, em 16 de outubro de 1978, Wojtyla já era um exemplo de cidadão. Da infância em Vadovice aos retiros religiosos no Vaticano, ele foi o melhor aluno nas escolas e universidades por onde passou. Falava alemão, latim e grego. Adorador do futebol, Karol não só teve diversos amigos judeus, como jogava freqüentemente como goleiro no time dos judeus de sua cidade. Aos 14 anos, atuou como ator e roteirista em peças de teatro em Cracóvia, trabalhou como britador em uma pedreira e até entrou na lista negra do nazismo, que ocupou a Polônia de 1939 a 1945. Wojtyla virou padre aos 26 anos, arcebispo aos 43 e cardeal aos 46. Antes de completar 34 dias de pontificado, no dia 28 de setembro de 1978, João Paulo I morreu de efarte agudo do miocárdio, segundo o Vaticano. O Conclave que o elegeu havia sido longo, mas já estava na hora de mais um ser feito. Três dias depois, a fumaça branca saía da chaminé ao lado da Capela Sistina, anunciando que o novo pontífice estava escolhido. Todas as previsões dos especialistas fracassaram. Esperavam um italiano, receberam o cardeal polonês Karol Wojtyla, de 58 anos e bom trânsito entre os bispos. O papa escolheu o nome João Paulo II para homenagear seu antecessor. A primeira vez que falou com a multidão que lotava a Praça de São Pedro, ganhou a simpatia de todos. "Se eu errar meu italiano, vocês me corrijam, por favor", pediu o Papa. No dia 25 de janeiro de 1979, o novo papa desceu as escadas do jumbo da Alitália, deu um passo à direita do tapete vermelho, curvou-se, beijou o solo da República Dominicana, e disse: "Viajarei por onde me chamarem as exigências da fé e dos valores humanos". Na hora, as pessoas acharam que tratava-se de uma frase de efeito, mas não. Nenhum outro papa beijou tantos solos como João Paulo II. O beijo no solo é um gesto que o Sumo Pontífice usa para abençoar o local. O mesmo papa só deve beijar uma vez um país, reza o rito da Igreja Católica. Quebrando a tradição, João Paulo beijou duas vezes o solo brasileiro. A primeira ocorreu em Brasília, em 1980. E a segunda em Natal, em 1991, uma bênção fora do programa. No primeiro beijo, em 1980, caiu o solidéu. Somente 12 papas na História da humanidade, de um total de 264, reinaram mais tempo do que João Paulo II. O recorde absoluto é de São Pedro, o primeiro papa, que teve um pontificado de entre 34 e 37 anos - não há dados exatos para confirmar a data precisa. O polonês Karol Wojtyla é o primeiro não-italiano a ocupar o cargo desde o holandês Adrien VI, que morreu em 1523.

    

1ª E 2ª - Foto -  Celebração dia - 13/04/2005 - Santuário de SantoAntônio de Pádua - Caçapava SP. - Com Papa João Paulo II - 01/11/95 -Roma - 50 anos de Sacerdócio.

Dom Antônio Afonso de Miranda, SDN

Bispo Emérito de Taubaté - SP

Data de renúncia             5/22/1996 

Ordenação episcopal     12/27/1971  Mercês-MG

Nomeação                        11/8/1971 

Ordenação presbiteral   11/1/1945    BH - MG

Profissão religiosa         12/25/1937 

Nascimento            4/14/1920 Cipotânea, Brasil

Lema:   "De Uno Pane" (De um só Pão).

Atividades exercidas durante o episcopado

Bispo de Lorena (1972-1977); Administrador Apostólico de Campanha (1977-1981); Bispo de Taubaté-SP (1981-1996); Membro da Comissão Representativa do Sul 1 e Conselheiro da Universidade Católica de São Paulo; Delegado à Conferência de Puebla.

Atividades exercidas antes do episcopado

Reitor de Seminário Menor (1949-1952); Superior Geral do Instituto dos Missionários de N. Senhora do Smo. Sacramento (1962-1964); Pároco de Dores do Indaiá-MG (1965-1971).

Estudos realizados - Especialização: Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais - Universidade do Espírito Santo, Vitória, ES (1965-1969).

Teologia: Seminário Coração Eucarístico, Belo Horizonte-MG (1942-1945).
Filosofia: Seminário Apostólico de Manhumirim-MG (1939-1941).
Outros cursos: Licenciatura em Filosofia, Faculdade Dom Bosco de São João del Rei-MG (1970-1971).
Ensino médio: Seminário Apostólico de Manhumirim, MG (1936-1938).
Ensino fundamental e básico: Seminário Apostólico de Manhumirim, MG (1933-1935)

Obras publicadas:  "Pe. Júlio Maria, Sua Vida e Sua Missão", 1947; "Nossa Senhora das Graças", Estudo Doutrinário, 1950 (1ª edição) e 1955 (2ª edição); Pe. Júlio Maria, Testemunha de uma Nova Igreja"; 1978; Coleções: "O que é preciso saber sobre os Sacramentos", 8 opúsculos e "O que é preciso saber sobre os Mandamentos", 5 opúsculos (Ed. Santuário); "Transpondo as fronteiras do Ecumenismo" (Ed. Santuário, 1955).

Fatos citados e vividos por Dom Antônio em momentos da homilia na celebração citada acima (13/04//05).

   Em um encontro com o saudoso Papa João Paulo II no México (Conferência de Puebla), disse que os Bispos são anunciadores e enfocou três pontos da doutrina da igreja a serem anunciados: 1º - CRISTO – cuja palavra está no evangelho e o corpo está na Eucaristia.

 2º - IGREJA – Povo de Deus, povo da Nova Aliança. falar da igreja é mostrar que o homem está unido à Nova  Aliança. 3º - HOMEM – é a Pessoa humana com seus direitos: >direito ao trabalho, > religião, a defender a vida do homem, > liberdade, > saúde, > educação. O homem foi criado a imagem e semelhança de Deus. Falou do espírito piedoso do Papa quando celebrava a Eucaristia. Preparava-se de 15 a  20 minutos antes de todas as celebrações. Dom Antônio disse que a compenetração do Papa era tamanha, que quando se elevava as sagradas  espécies, “parecia flutuar”. Em outra visita por ocasião (Ad Limina), quando o Papa foi se levantar, não conseguiu, peguei seu braço e o levantei. Ele perguntou a  minha idade, disse que tinha a mesma de sua Santidade, então ele falou: “Ta forte ainda!”. Ao entregar para cada Bispo uma carta sobre o tema desenvolvido disse se referindo ao gesto de Dom Antônio: “Este Bispo brasileiro é boa gente, me ajudou a levantar da cadeira”.

Salientou também o “Espírito Jocoso” do Santo Padre, quando num almoço com alguns Bispos brasileiros. O garçom veio servir a sobremesa e o Papa falou que era Quaresma e que não deveriam comer a sobremesa. Mas, como eram bispos brasileiros e a sobremesa parecia apetitosa, em uma manifestação de descontração, pediu permissão para suspender a  penitência. Todos riram muito e saborearam segundo Dom Antônio, a deliciosa sobremesa.

Endereço Residencial:  Trav. Clementino Ribeiro, 26
Centro - CEP: 12010-090  - Taubaté SP -
Fone: (12) 233-1761Fax:   
(12) 232-2855
Correio eletrônico
                 domantonio@diocesedetaubate.org.br
                        

*******************************

ADONIS DE SOUZA PINTO, quem não conhece este maravilhoso Servo de Deus, e como é peculiar dizer também: quem não conhece esta figurinha carimbada de nossa e de outras tantas cidades do nosso estado e porque não do nosso Brasil.  É casado com a nossa querida e também conhecida principalmente em nossa comunidade TEREZA. Tem 03 filhos: Juliana, Marcio e Paula, uma linda netinha (Geovana) além do genro Wellington que também faz parte da família. Adonis vem de uma vida perseverante e dedicada à igreja. É apaixonado pelo Evangelho de Cristo. Há 28 anos participa do movimento da PLC dando palestras nos retiros e também formações. É um dos pioneiros da RCC em Caçapava, sendo coordenador durante os primeiros 5 anos. É membro atuante do Projeto de Evangelização da Diocese de Taubaté, principalmente nas exigências do Diálogo e Anúncio. Desenvolveu um trabalho maravilhoso por dois anos junto aos detentos da cadeia pública de Caçapava fazendo visitas praticamente todos os Domingos. É um dos Diáconos mais requisitados para dar palestras não só em Caçapava. Atualmente é um dos professores da escola de Teologia para leigos de Caçapava. É conselheiro espiritual das equipes de Nossa Senhora. Há 14 anos vem coordenando com muito amor a tradicional festa de “Corpus Christi”. É responsável pela coordenação do Diálogo Ecumênico na Diocese de Taubaté, na região do Vale do Paraíba e Litoral Norte. Foi o idealizador do mês da Bíblia em Caçapava. Tudo começou em 1980, quando teve a feliz idéia de procurar o saudoso Monsenhor Theodomiro Lobo, e o Frei Jorge que aceitaram a idéia e deram todo o apoio. Até hoje sua luta e dedicação para que a palavra de Deus seja propagada, divulgada e vivenciada é constante, pois, todos os anos as escolas o recebe de braços abertos para que os alunos conheçam melhor e mais a palavra de Deus. Também o rádio, como outros tantos meios de comunicação. A sua labuta não foi em vão; neste Setembro de 2004 Caçapava comemora 25 anos (Jubileu de Prata) do mês da Bíblia. Sua esposa Tereza fala com muita satisfação e alegria: “Lembro-me como se fosse hoje, o brilho em seus olhos, no primeiro mês da Bíblia e a benção que vem sendo esta longa trajetória de evangelizar”. Com a sabedoria que Deus lhe concedeu, continue sendo este homem de fé e temente a Deus. Que o seu exemplo de vida nos contagie cada vez mais.